Essas sete dicas para os viajantes do tempo foram retiradas do Livro “100 épocas para visitar com sua máquina do Tempo.” De Gabriel Boz (a ser escrito em 2035).

Existem milhares de itens de importância para que um viajante temporal se adapte as diferentes circunstâncias e surpresas que podem vir a acontecer em diferentes tempos e épocas. Mas existem dicas válidas e elementos fundamentais para uma viagem tranquila. Antes que você se aprofunde nas principais épocas e eventos históricos que considero os melhores para se visitar, é importante que você se lembre de alguns importantes detalhes que poderão fazer toda a diferença durante sua viagem. Não vamos fazer referência a toalhas, uma vez que é óbvio e inegável o valor de tê-la sempre ao seu lado.

1 – Marcando o tempo

É sabido que os viajantes temporais costumam ser obcecados com a marcação de Tempo. Mesmo sabendo que o tempo é relativo e que as emissões eletromagnéticas dos saltos quânticos acabam com qualquer relógio digital que esteja no pulso ou na bagagem, um bom e velho relógio de corda ainda é a escolha preferida de alguns viajantes. De preferência, sempre tenha mais de um. Um bom e resistente relógio de pulso automático também é uma escolha ideal, como um Rolex Vintage. E não se esqueçam de um bom relógio mecênico de mesa como despertador. Alguns modelos alemães da Primeira Guerra são perfeitos.

2 – Localização

Poucas pessoas atinam para o fato de que no passado ainda não existem satélites, sistemas GPS etc…Da mesma forma, as tecnologias mudam tão rapidamente no futuro, que um aparelho GPS de 2030 dificilmente vai reconhecer os protocolos fotônicos dos nanos-satélites de 3050. Por conta disso, é sempre bom contar com os referenciais que nunca mudam. Sol, estrelas e campo magnético (apesar de que a partir de 5789, com a construção do anel de atracamento magnético ao redor do planeta, nunca mais uma bússola funcionou direito). Um sextante de qualidade, assim como uma boa bússola são fundamentais para que o viajante possa confirmar se foi parar no continente certo.

3 – Finanças

Dinheiro talvez seja um dos grandes problemas dos viajantes. Em pouco mais de cem anos, impérios caem, economias globais se vaporizam e se reconstroem, e carregar barras de ouro dentro da bagagem já provou não ser uma boa ideia. A solução do problema nunca é simples, mas existe um estranho fenômeno inexplicável que atesta o fato de que dobrões espanhóis são aceitos em mais estabelecimento ao longo da história do que um Cartão Universal Express intergaláctico.

4 – Entretenimento

Nada com uma boa leitura durante as viagens temporais. É mister que viajantes temporais tem uma predileção por histórias de ficção-científica, e certos fanzines do século XXI provaram terem sido ótimos celeiros para grandes escritores conhecidos hoje mundialmente. Sem contar que sempre possuem boas histórias e por vezes, dicas de viagem como essas. Por isso, nunca deixe de levar um bom livro para aqueles momentos em que você está esperando começar o incêndio do Hindenbourg ou está tranquilo no convés do Titanic esperando pelo Iceberg.

5 – Segurança

Nem sempre podemos viajar para tempos de paz, logo, uma arma sempre precisa fazer parte da bagagem de um viajante. Apesar de algumas escolas de pesquisa temporal atestarem que as guerras foram fatores importantes para o desenvolvimento humano, para o viajante que se vê no meio da invasão da Normandia, quem sabe algum ataque do Sínodo Marciano ou uma invasão alienígena, ter seu “desenvolvimento” ameaçado não é boa coisa. A escolha da arma é sempre um problema, mas as vezes uma lâmina afiada vale mais do que um desintegrador de prótons.  

6 – Registre suas aventuras

Um viajante do tempo que se preze, sempre se considera um explorador, e de nada adianta explorar sem que se registre cada acontecimento extraordinário. Como foi dito a pouco, equipamentos eletrônicos não resistem ao salto temporal quântico, por isso, artigos mecânicos são sempre preferidos.  Enquanto alguns preferem levar um diário, uma máquina de escrever sempre vem à mão, principalmente para compor o disfarce de escritor atormentado e louco que jura ser um viajante do tempo vindo do futuro. Algumas garotas adoram isso.

7 – Ao infinito e além

Por mais que viajar no tempo pareça uma ciência exata, as vezes é necessário recorrer a forças além da nossa compreensão para resolver eventuais problemas, como se prevenir de algum evento não catalogado ou entrar em contato com aquele antepassado com dicas fresquinhas sobre como se vestir para um baile de máscaras de Luis XIV. Por conta disso, alguns viajantes não dispensam uma boa bola de cristal, também conhecida como celular telúrico por algumas seitas neo-ocultistas. Só tenha cuidado com certas épocas de pouca tolerância mística, como o período de Inquisição ou o Século de dominação Islâmica.

Por fim, nada pode realmente prepara-lo para o que o espera além das fronteiras do tempo e do espaço, por isso esperamos que nossas dicas tenham sido valiosas e que você sempre mantenha o bom senso. Afinal de contas, lembre que por mais que você se esforce, as amarras trans mediúnicas do Senhor do Tempo não permitem que o passado seja alterado, mas se você for muito impertinente e incomodar o continuum dando mais trabalho para as aranhas tecedoras de memórias, você pode acabar exilado na Ilha do limbo temporal, e acreditem, não é um bom lugar para passar o resto dos seus dias. Um abraço e boa vigem.

Sete dicas para os viajantes do tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *